Penicos, privadinhas, etc. A saga do desfralde em 2 etapas: Em casa e na rua.

Pessoal,

Neste post vou comentar sobre um lado que, até iniciar o desfralde do filhote, imaginava que seria um pouco mais simples: A logística (ou seria a acessibilidade?) para o não uso de fraldas.

É inacreditável: Mesmo em banheiros ditos infantis, não se vê protetor de assento sanitário (diferentemente dos banheiros adultos). Juntemos isto à falta de pontaria dos pequenos, e fica a dúvida se os banheiros públicos possuem uma higienização adequada. Pior é perceber que este comentário só vale para os raros lugares em que, pelo menos, existe o vaso infantil.

Normalmente nos deparamos com as privadas grandes e,  eventualmente, em banheiros “adaptados” temos algum vaso com abertura frontal que auxiliam o Miguel a fazer xixi apontando corretamente, sem molhar metade do banheiro.  (Cabe aqui um parênteses: descobri que o tal vaso com abertura frontal é inadequado para os próprios deficientes!)

Continuar lendo

Anúncios

Pimu – Louça Musical

Pessoal,

Achei muito interessante esta invenção de um brasileiro:  Trata-se da Pimu, uma louça musical em que se utiliza tinta, massinha e as mãos para gerar música. Simplesmente GENIAL.

Inclusive já encomendei a minha, espero que o projeto tenha sucesso:

Maiores informações sobre o projeto no link da campanha do Catarse: https://www.catarse.me/PiMu

Abraços!

À procura do berço perfeito

Feliz dia dos pais atrasado 🙂

Uma amiga compartilhou uma ideia sensacional. O que ocorre quando um designer resolve projetar o berço do próprio filho? E quando ele opta por disponibilizar o projeto para quem quiser o reproduzir?

Achei sensacional! Neste link você vê a ideia do berço Uri, o projeto ainda está pendente de publicação mas o autor disse que será opensource. Com o plano de corte na mão é só levar em lojas que trabalham com placas de compensado, normalmente elas realizam o recorte eletrônico conforme o projeto que você disponibiliza.

Se alguém o construir, por favor, disponibilizem umas fotos e digam o que acharam, viu? 🙂

Grande abraço e parabéns ao autor, Barão di Sarno!

View story at Medium.com

Perigo disfarçado de conto de fada

Conteúdos de violência e sexo inseridos em desenhos, o ‘Elsagate’, preocupam pais e profissionais

O DIA

Rio – Alerta vermelho para os pais que deixam filhos pequenos assistirem a desenhos e vídeos no YouTube: criadores mal-intencionados estão disseminando vídeos supostamente infantis, mas que escondem conteúdos explicitamente violentos e sexuais, incluindo cenas com agulhas, insetos, abuso, espancamento, aborto, escatologia e outros temas inapropriados para crianças. O fenômeno foi batizado por internautas de ‘Elsagate’ — em alusão à famosa personagem Elsa, da animação Frozen, da Disney; e ao escândalo político Watergate.  (…)

Leia a matéria completa no portal do jornal O DIA.

O que dizer ao seu filho sobre o amigo com Síndrome de Down

Boas dicas para os pais que não sabem bem como trabalhar a questão da diferença de crianças com Síndrome de Down junto aos filhos.

Eu chego lá

Tenho certeza que essa é uma dúvida de muitos pais, já que a criança de até uns 10 anos (a depender do seu contexto social) ainda não tem a clara noção da diversidade humana que a cerca. Na verdade eu me coloco no lugar desses pais, e vejo que se não tivesse o Bruno, também teria uma interrogação.

Suponhamos que seu filho tenha um parente, ou amigo na escola, com Síndrome de Down. Não sei como você encara essa ideia, mas tenha certeza que ter amizade com uma criança com qualquer tipo de deficiência é muito bom para as duas crianças. Seu filho terá a oportunidade de saber lidar com a diversidade e ser uma pessoa melhor, e você pode facilitar isso.

Mas o que dizer sobre a Síndrome?Bom, enquanto ele não perguntar nada, relaxe, você também não precisa explicar. Deixe que a coisa flua. E aqui eu faço…

Ver o post original 701 mais palavras

Desenhos infantis

Esse blog está muito empoeirado…daí que vem a preguiça, junta com a falta de tempo, e pronto, nada acontece por aqui.

Mas estava observando algumas preferências do meu filho, bem como as que o mercado impõe, no que tange a desenhos animados. Assim, resolvi postar o que o Miguel, agora com 1 ano e quase 10 meses, tem assistido com meu apoio, bem como as estratégias que adotamos para evitar despertar o interesse por animações que não curtimos, seja pela mensagem, seja porque cansa (afinal, crianças assistem um mesmo desenho várias vezes. Pense nisso antes de inserir um conteúdo irritante rs).

No que tange a estratégia, adotamos o seguinte: Continuar lendo

Viajando com o bebê: Percepções da viagem com o Miguel completando 4 meses!

Quem é vivo sempre aparece, não é mesmo? rs  Segue a postagem de uma viagem que fizemos a um ano atrás e esqueci como rascunho! :O Que blogueiro relapso né?

Pessoal,

Eu, minha esposa e o Miguel, aproveitando uns dias de férias, promoções e milhas, aproveitamos para viajar. O roteiro? Natal e São Miguel do Gostoso (RN) e, em sequencia, visitar a família no Rio de Janeiro.

Para viajar com bebê, é fundamental ter em mente uma questão: A viagem tem que ser pensada em razão dele! O ritmo é outro!!! Vai deixar de visitar vários lugares? Sim! Vai ter que dormir relativamente cedo? É bem provável! E ainda assim dá para se divertir? Demais!!! O Miguel adorou!!! E nós também!

E tem o aprendizado, não é? Vou tentar consolidar umas dicas por aqui:

Montando a viagem:

Quanto a montar viagens, eu sempre optei por montar as escolhas tanto de aéreo, hospedagem e aluguel de carro. Assim, economiza-se mais e dá para selecionarmos as coisas exatamente como cabe nas necessidades e no bolso. Com bebê achei fundamental, pois temos que customizar a viagem as necessidades dele. Daí usei os parâmetros para hospedagem: Quartos limpíssimos (excluí qualquer hospedagem com relatos de sujeira), camas largas (afinal, dormiríamos os 3 na cama, caso não conseguíssemos berço), e lugares onde bebês são realmente bem-vindos (vai que dá uma choradeira no meio da madrugada?)

Continuar lendo